Postado por: setembro, 2011

Custa muito caro!

Por: Não Custa

Cada dia que passa, as pessoas estão se importando menos com as regras de boa conduta, com as leis, os direitos e os seus semelhantes. Para se ver uma manifestação deste tipo, nem é necessário que uma pessoa tenha seu direito ameaçado ou ferido e alguém manifeste sua indignação. Basta que alguém se sinta em situação de prejuízo: Um indivíduo acaba de tomar um refrigerante e joga a latinha pela janela do carro. Sua sensação de prejuízo é mais ou menos assim: Onde jogo este lixo? Por que jogaria este lixo dentro do meu carro? Quanto tempo eu terei de guardar este lixo até que ache um lugar correto para depositá-lo? Sensação de prejuízo! Isto vale para outros casos como: entulhos retirados de uma obra, móveis velhos, tranqueiras que estavam ocupando espaço, etc.

O próximo passo é achar o culpado pela situação. Se o indivíduo se sente prejudicado, alguém deve ser o culpado. Alguém que deveria deixar as coisas mais fáceis para ele, uma lixeira ao seu alcance, um lugar bem ao lado de sua casa para jogar suas tranqueiras, seu lixo; deixasse talvez um número de telefone, gratuito é claro, para que pedisse a retirada do material, de graça e no mesmo dia.

Então, esse indivíduo encontra o que há de mais raro numa cidade grande: O “lugar de ninguém”, que é na verdade, o espaço público, ou talvez resolva descartar seus troços na longa calçada da casa de alguém que, segundo o seu senso de justiça, teria melhores condições de se livrar do seu lixo. Talvez num lugar particular cujo dono não seja conhecido, um lugar que aparentemente esteja esquecido, assim não terá problemas em depositar ali o seu estorvo, afinal ninguém se importa com aquele lugar. Quando são pobres, devem pensar que alguém por ter uma melhor condição financeira deveria cuidar disso e, quando são ricos, alguém em piores condições deveria limpar a sua sujeira. Pensando bem, acho que não se trata de ricos ou pobres, uma pessoa que não tem uma disciplina moral e ética não fará muitos questionamentos, simplesmente agirá dessa forma. Este pensamento demonstra postura egocêntrica de uma pessoa e sua capacidade de ver o seu próximo como possível inimigo ou simplesmente um ninguém. Isso vai ocorrer no trânsito, no ônibus, na fila do mercado, em qualquer lugar em que tiver a sensação de prejuízo.  Aliás, estas pessoas parecem andar constantemente com esta sensação.

E o pior está por vir! Entre estas pessoas estão aquelas que após usarem o vaso sanitário, não se dão o trabalho de apertar um botão ou puxar uma cordinha, são as mesmas que depois de se limparem, e errarem o arremesso do papel no cesto de lixo acreditam que um “gandula” aparecerá assim que ela deixar o local.

Tamanha falta de noção leva um ser humano a ser pior do que se imagina.

Certa vez, eu estava num estacionamento em frente a um condomínio e fiquei observando um carro vermelho que estava muito sujo, tinha marcas nas laterais como se algum líquido tivesse escorrido nas suas portas. Pensei que poderia ser de cães que estavam marcando território naquele veículo. Pela altura das marcas logo descartei a possibilidade. Então um sujeito chegou, encostou-se ao veículo, abriu o zíper da calça e começou a urinar, deixando mais uma marca na lataria empoeirada. Eu tentava entender aquela ação. Era para mim uma reação de vingança contra o dono do veículo. O dono, por sua vez e por alguma razão, não tratava de lavar seu carro deixando que as marcas de escorrido fossem acumuladas. Inacreditavelmente ao terminar de urinar na porta do veículo, o sujeito abriu a porta, entrou no carro, deu a partida e saiu. Nunca vi tamanho exemplo de autodestruição.

Para este tipo de pessoa, tudo custa muito caro! Procurar um lugar adequado para urinar, pegar o papel que caiu fora do cesto, guardar seu lixo até que encontre um lugar próprio para depositá-lo. Custa muito caro dar passagem para alguém no trânsito ou esperar um pedestre atravessar a rua. Acredita que alguns dão a vida por um espaço de aproximadamente 5 metros no trânsito? Dão a vida por um minuto e meio que dure um farol vermelho?

Para este tipo de pessoa, seria muito tarde para aprender alguma coisa a respeito de reais valores da vida?

“Educação é o que resta depois de ter esquecido tudo que se aprendeu na escola.” [Albert Einstein]

Do que é formada uma pessoa em que este alicerce inexiste?

Texto de Ricardo Lopes (www.ricardolopes.com.br) especialista em Pinturas em Parede

1 setembro, 2011 Postado em Higiene e Saúde, Relações Pessoais


Não Custa é uma iniciativa da interAmplitude especializada em Criação de Sites